Buscar
  • Maíra Oliveira

'His House' e o horror das diásporas negras


Dirigido pelo diretor estreante Remi Weekes (que também assina o roteiro, baseado numa história de Felicity Evans e Toby Venables), His House retoma a história do casal sudanês Bol e Rial Majur (Sope Dirisu e Wunmi Mosaku ) que ao cumprir as burocracias vexatórias para concessão de asilo político no Reino Unido, é constantemente assombrado por seu passado e insultado por seu futuro.

Quando finalmente obtém asilo provisório e o governo lhes atribui uma casa decadente, Bol e Rial recebem estritas recomendações. E é nessa casa que o casal passa a ter visões de figuras mascaradas, assombrações que saem das paredes quebradas e esfarrapadas, que tem como alvo principal Bol, o dono da casa.


Ao centrar a representação de tais aparições na cosmovisão original do casal e justificá-las organicamente ao longo da história, His House subverte signos muito explorados pelos filmes de terror ocidentais que mistificam e exotizam as culturas negras e indígenas como tormenta às famílias suburbanas (como no cemitério indígena em Poltergeist, no Oriente Médio de Pazuzu e nas origens africanas em O Exorcista ou ainda na ansiedade colonial de The Monkey's Paw de WW Jacobs ).

Em certa medida, His House se assemelha a Atlantique de Mati Diop, uma história fantasmagórica de represália no Senegal. Ambos os filmes transformam a diáspora africana em curso - particularmente as vidas afogadas das pessoas que cruzam o mar em séculos de exploração colonial ​​- em uma denúncia metaforizada pelo sobrenatural. O filme de Diop (também disponível na Netflix) permanece enraizado em seu país de origem, enquanto Weekes traça uma viagem através do mar e em uma terra friamente indiferente, onde as coisas deveriam ser melhores. Esses filmes são exemplos persuasivos de como o projeto modernidade/colonialidade que segue em curso, pode lentamente fazer seu caminho para a arte, à medida que rompemos com a perigosa história única.


Tal como acontece com Beneath Us e Café com Canela (lembram das paredes sangrentas de Margarida?) o uso literal e metafórico do espaço implantado em His House é fundamental para a criação de significado. O casal vai dos interiores apertados e opressivos dos quartos de detenção para o espaço vazio igualmente opressor da sala de detenção, onde eles parecem pequenos e indefesos contra o painel de oficiais da imigração, exacerbado pela escolha dos ângulos da câmera e do posicionamento. Bol e Rial são então confinados novamente, pois recebem ordens de não deixar sua nova casa ou correr o risco de deportação. Os refugiados são colocados nas margens ou espremidos entre espaços, da mesma forma que suas contrapartes reais no barcos que fazem a travessia.


Há uma razão pela qual o local nunca é explicitamente identificado: é desalmado e intimidante, mas sua inespecificidade também é instrutiva de como a vida da diáspora é permanentemente deslocada.

Mas é o mar, sua ausência e presença poderosa, local chave do horror no filme. Bol lembra Rial que eles tiveram que fazer sacrifícios para começar uma nova vida - e isso incluiu a morte de Nyagak: “Nós a perdemos quando cruzamos o mar”, ele lembra a ela, esta tragédia da vida real servindo como fulcro para o horror sobrenatural. O mar é lugar de horror para toda diáspora negra, nos cerca de 400 anos de tráfico de pessoas escravizadas estima-se que 1,8 milhões encontraram no mar seu fim. Muitos historiadores observam que o número era tão grande que os tubarões aprenderam a seguir as rotas de tráfico porque se alimentavam dos corpos atirados ao mar.



À medida que o filme avança, cresce e assume uma dor quase insuportável. Em seus momentos finais silenciosos, este pequeno filme de repente parece enorme, revelando toda uma atmosfera de fantasmas fervilhando ao redor de Bol e Rial, e ao redor de todos nós.

Dìrísù e Mosaku dão forma pessoal vital a toda essa angústia e avaliação. Dìrísù calibra a determinação de Bol de deixar o passado para trás como uma resolução dolorosamente tênue. Mosaku (que brilha também em seu papel em Lovecraft Country), potencialmente localiza a raiva no centro da dor de Rial e sua convicção quase religiosa de que há algo profundamente errado com a presença deles nesta costa estrangeira. À medida que Bol e Rial se separam, Dìrísù e Mosaku permanecem sempre atentos ao fio desgastado que os conecta; eles fazem um retrato atencioso do isolamento de um casal desterrado.

Agora se você não viu o filme pode parar por aqui, pois a mensagem final vem com spoilers é claro…




O final de His House, em que Rial voluntariamente abre mão da possibilidade de resgatar Nyagak que a esse ponto sabemos não ser filha do casa, e salva Bol da bruxa noturna, marca uma virada para os dois personagens. A cena final, onde eles ficam olhando diretamente para o fantasma de Nyagak e a casa se enche com os fantasmas de outros refugiados que morreram em busca de segurança (não apenas aqueles que fogem do Sudão do Sul, mas pessoas de muitos países diferentes) é um momento de aceitação. Bol aceita que não pode mais desviar o olhar e sempre terá que viver com Nyagak, a culpa de tê-la usado para conseguir lugar na travessia, e os outros fantasmas. “É quando eu os deixo entrar, eu posso começar a me encarar”, ele diz a Mark. Enquanto isso, Rial finalmente aceita que ela não pode voltar. Quando o casal dá as mãos, os fantasmas desaparecem, pelo menos por enquanto. Mesmo que seu futuro seja incerto, Bol e Rial encontraram um lugar de pertencimento - não em sua casa antiga ou nova, mas um com o outro.




Longe de ser “pornografia de miséria”, His House é devastador na emoção de sua execução e na urgência de suas ideias. O filme de Weekes é atraente em uma variedade de dimensões, do pessoal ao sociopolítico, do formal ao emocional.


Existem milhões de narrativas individuais contidas em uma vastidão impressionante, todas elas - dos vivos ou dos mortos - clamam por serem contadas.

62 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

©2020 por Maíra Oliveira.